• Home
  • Cidadania materna
  • Mulheres e casamento

Mulheres e casamento

É interessante notar a condição jurídica prevista pela lei de 1912 em caso de casamento para a mulher italiana e estrangeira.
A mulher italiana e a perda de cidadania "iure matrimonii": sob o princípio da unidade da cidadania no seio da família, a mulher italiana que se casava com um estrangeiro, no caso em que a lei do país do marido previa a aquisição automática de nacionalidade pelo casamento, perdia a cidadania italiana independentemente da sua vontade.

A condição da cidadania das mulheres foi condicionada precisamente pela lei de cidadania do marido e variava de acordo com as disposições do direito estrangeiro. Foram criadas duas categorias: as mulheres que se casaram, por exemplo, um cidadão suíço cuja lei prevê a aquisição automática de cidadania, tornou-se suíça e, portanto, perdendo a cidadania italiana, estrangeiros para a Itália e a outra condição das mulheres casadas, por exemplo, com cidadãos argentinos ou uruguaios, cuja legislação nacional não previa a aquisição automática de cidadania por uma esposa estrangeira que podia então manter a cidadania italiana.

Em abril de 1975, o Tribunal Constitucional decidiu, na sentença n. 87, que o artigo 10, n. 3, da Lei de 1912, que afirma o princípio que tem sido dito, é ilegal porque entra em conflito com os artigos 3° e 29° da Constituição, uma vez que envolveu uma desigualdade de tratamento entre os cônjuges e entre as mesmas italianas que realizaram o casamento com um estrangeiro.

Em vista desta decisão, em maio de 1975, a Lei n. ° 151 sobre a Reforma do Direito da Família introduziu uma nova disposição no Código Civil italiano, artigo 143. B (revogado pela Lei n.191 / 1992), que permitia à mulher preservar a cidadania italiana, mesmo no caso de aquisição de nacionalidade estrangeira como resultado do casamento. A mesma lei, art. 219, previa a possibilidade de repatriar a cidadania pelas mulheres que a perderam.
Com a atual Lei n. 91/92, foi finalmente adoptado o princípio da igualdade de tratamento, que, juntamente com a introdução da «dupla cidadania», eliminou a desigualdade entre os cidadãos.

A mulher estrangeira e a aquisição da cidadania italiana "iure matrimonii": a lei de 1912, por outro lado, previa que a mulher estrangeira que se casava com um homem italiano adquiria automaticamente a cidadania italiana e não podia desistir dela. Isso resultou em outra disparidade de tratamento, porque essa automatização penalizava as muitas estrangeiras que foram privadas de própria nacionalidade de origem pelo fato de terem adquirido a italiano de forma irreconciliável.

A aplicação do princípio da igualdade de tratamento em relação ao casamento entre estrangeiros e italianos ocorreu em 1983 pela Lei n. 233, que excluía o princípio da atribuição automática da cidadania, desde que a aquisição da cidadania para os cônjuges estrangeiros, mulheres ou homens,  só poderia acontecer através do pedido expresso do cônjuge interessado. A mesma lei previa para o estrangeiro a possibilidade de renunciar à cidadania italiana.
A Lei n° 91 / 1992 manteve este endereço, excluindo qualquer automaticidade na atribuição da cidadania após o casamento.

HB Associati

TELEFONE
Horário de Atendimento: Segunda a sexta, das 9,00 às 13,30 e das 14.30 às 16.30 horas
+55 11 98298 6689 (tim)
+55 11 2367 8176 (fixo)

E-MAIL
info@cidadaniaitalianaassistencia.com
cidadania.italiana@hotmail.com

SKYPE
marcopaky

ENDEREÇOS
Escritório de advocacia HB ASSOCIATI
Via Rausei n. 39, 89124
Reggio Calabria, Italia
P.I. (CNPJ italiano): 03028390809

Ponto de atendimento clientes Brasil (so marcando reunião com antecedência)
Av. Paulista 807, São Paulo, Brasil


Consulta Gratuita